BARRA Arquitetos

R. Felipe Camarão, 751 - sala 908

Bom Fim, Porto Alegre, RS

PAVILHÃO BRASIL EXPO 2020 DUBAI

Equipe: BARRA Arquitetos + MAPA Arquitetos + Carol Vasques + Cecilia Leonardelli + Jefferson Scapineli + Pedro Dal Molin

             

Localização. Dubai, EAU

Ano. 2018

BRASIL

paisagem de infinitas possibilidades 

O pavilhão contemporâneo como um lugar de lugares, como entidade sintética da complexidade. Trata-se de um não-objeto, de uma infraestrutura possibilitadora de usos múltiplos e simultâneos, de caráter interior-exterior. Assume a necessidade de caixa-preta expositiva e de espaço público, entendendo-as como contrapropostas e aliadas ao mesmo tempo. Lá reside o potencial da possibilidade.

Devemos deixar de lado a concepção de pavilhão como cenografia do puro efeito, para passar a ser um espaço de produção e troca.

O pavilhão organiza-se através de quatro estratégias fundamentais. Apresenta-se como um condensador de significados, no qual espaço, função e significado trabalham juntos para criar um elemento espacial e conceitual potente.


O espaço, a escala, a trama e o evento trabalham juntos para produzir um novo tipo de dinâmica:

O ANTI-PAVILHÃO

o vão livre

o espaço do possível

O vão livre, como operação arquitetônica, liberta o edifício ao outro, incorporando outras lógicas que não aquelas estabelecidas pelo seu próprio projeto. Democratiza o espaço em sua totalidade e, dessa maneira, incorpora a imprevisibilidade da diversidade.

O espaço somente é pautado por presenças fundamentais, sua essência não é definida, não se explicita, não se estrutura. Ao não se definir, não se determina de que modo usá-lo. É a liberdade do espaço público que se traduz no pavilhão. Cidade e cidadão.

a escala do sublime

o espaço de implicações

O sublime surge do ímpeto de exprimir o inexprimível. De traduzir aquilo que transcende o belo. É a qualidade estética do extremo. É a inacessibilidade diante do incomensurável.

 

O sublime existe, por definição, acima de qualquer capacidade de cálculo, medida ou imitação. O sentimento humano perante aquilo que supera o belo, que não pode ser descrito somente por suas implicações estéticas. A sensação de presenciar uma tempestade, de testemunhar o que excede as expectativas e se torna extraordinário.

a tectônica da trama

o espaço do tempo

A noção de tectônica é elemento central da arquitetura como fenômeno, é base autônoma da própria disciplina. A tectonicidade do objeto é a ascente de suas qualidades ontológicas, transformando o edifício em um “ser” e não apenas um “signo”.

É o que permite a existência de algo subjacente ao fazer construtivo, uma

expressividade simbólica sem uma intenção representacional. A unidade estrutural como essência irredutível. “A forma construída como uma presença e não apenas representante de uma ausência”. (Frampton, Kenneth. Rappel a L’ordre: The case for the Tectonic.)

o evento e a coleção

o espaço do conceito

Um complementa o outro.


Entender o Brasil como energia vibrante, como seu povo, como evento. Seu futuro e toda sua potência paisagística como natureza, como coleção. Dois hemisférios do mesmo mundo, complementares. Abaixo, a feira, a praça, o povo, burburinho, o indeterminado, o móvel. Até a paisagem é mutável, assim como sua umidade, sombra e luz. É lúdico. Acima, separado desse mundo, a exposição nos fala sobre a complexidade do Brasil, sua gente, sua natureza e seu futuro.

O vão livre, como operação arquitetônica, liberta o edifício ao outro, incorporando outras lógicas que não aquelas estabelecidas pelo seu próprio projeto. Democratiza o espaço em sua totalidade e, dessa maneira, incorpora a imprevisibilidade da diversidade.

Em termos dos fluxos, as colunas (ou “patas”) que sustentam a caixa suspensa também abrigam as circulações verticais, criando acessos independentes aos diversos setores do programa. Em planta, a circulção entre os setores é resolvida através de um anel periférico, que se repete em todos os pavimentos. Um dos níveis elevados contém a exposição permanente, e o pavimento mais acima a administração e o restaurante.

térreo

público serviço vip

exposição

público serviço vip

circulação vertical

público serviço vip

zoneamento

pavimento técnico

adm / restaurante

público serviço vip

rota de fuga

“A arquitetura deve indagar tanto sobre os eventos que ocorrem nos espaços quanto os espaços em si... A noção de forma e função estabelecidas pelo discurso arquitetônico moderno devem ser substituídos pela valorização de ações e eventos que se produzem no interior dos espaçtos – comoo movimento dos corpos, das atividades, das aspirações e, finalmente, pela dimensão propriamente política e social da arquitetura...”


Bernard Tshcumi em Event Cities

Show

Espetáculos inusitados que trazem a tradição musical e performativa da complexa cultura brasileira.

Parque

 

Eventos circenses e lúdicos que resgatam as festas e celebrações tradicionais das diversas regiões do Brasil.

Gastronomia

 

Feiras gastronômicas representando mapas da culinária brasileira. Pensada como ilhas, cada uma refletindo as especificidades da complexa diversidades de sabores do Brasil.

Esportes

Arenas efêmeras montadas para levar as tradições esportivas do país para os espaços do vão livre, ilustrando uma faceta importante da cultura nacional.

Proposta Expositiva

Os biomas surgem da maneira científica e analítica de reconhecer a natureza e as paisagens do Brasil. Na mesma
instância em que surge o Bioma, surge o ECÓTONO, conceito de zona intermediária, onde as características de nenhum dos dois biomas contíguos se impõe, um limiar, um espaço de contínua negociação, de ciclos mutáveis, de riqueza sem igual, de diversidade explosiva. Longe do zelo catalogador que separa e secciona, a coleção põe em relação, aproxima e articula, gerando novas relações, novos significados, brinca com os limiares para provocar surpresa e reflexão.

Together for Nature

1.
A presença d’água nos conecta com a natureza. Usando uma combinação de projeções e água (uma cachoeira que cai perante os visitantes), se criam cenários de reflexão sobre a importância d’água na vida cotidiana e também sobre a necessidade de protege-la. O palco se transforma na bacia do Rio Amazonas, a maior bacia hidrográfica do mundo. Se projetarão dados que apontam em tempo real as condições d’água nos diversos setores desta bacia de modo a promover uma consciência do impacto humano nessa paisagem fundamental para o mundo.

2.

Outro bioma singular é a floresta amazônica. Representa cerca de 40% do território sul-americano, e seu papel no equilíbrio climático global é inegável. Gerar consciência da fragilidade deste ecossistema e o papel que cada um tem em sua defesa é central.A experiência imersiva, pavimentos naturais, projeções, orvalho, aromas, chuva digital e som levam o visitante a sentir-se parte. 24 horas em 24 minutos. Ciclos de vida ocorrendo diante de nosso olhos.

Together for People

3.

Milhares de rostos, dando testemunho de vida. O Brasil no rosto e na voz de seus habitantes. Uma matriz de estruturas verticais contento mini-áudios e vídeos que personificam todos aqueles que ponderam as questões sensíveis da vida:
Onde nasci? Como é minha família? O que acho de estar em Dubai? O que penso sobre o mundo de hoje? O que sonho para o futuro? Cada coluna é um indivíduo, o espaço entre elas é um espaço de encontros, esses encontros gerados pelos visitantes que por um momento formam parte de uma nova comunidade.

4.

O espaço material e as mãos que o produzem. Um piso feito de carpete de cânhamo produzido por artesãos de diferentes comunidades coexistem com projeções, onde tecidos são feitos e desfeitos, as mãos produzem e oferecem sabedoria. O espaço onde a trama se cria tecendo significados e sonhos. A trama completa do Brasil de hoje e sempre, que encontra sua sublimação no saber milenar que com suas mãos une homem, natureza, história e futuro.

Together for Tomorrow

5.

A tecnologia parece liderar o caminho para o futuro. Em um jogo dialético com o natural, se marca a entrada de uma nação em um novo tempo. É o lugar dessas mudanças, um setor expositivo onde “o digital assume o comando” e demonstra com todos seus desdobramentos o mundo da pesquisa e do desenvolvimento científico e técnico do país. A chave é imersiva assim como este novo tempo digital.

6.

Mas o futuro também está em nossas mãos. Nas de cada visitante. Neste campo de micro ambientes dentro de um grande espaço provoca-se atmosferas pessoais, imersivas e que geram uma experiência específica. O futuro está em cada um de nós. Obliterar a imensidão no micro experiência passa a ser um jogo, uma proposta onde existe uma mensagem pessoal. Pequenas maquetes 3D da paisagem e de edifícios, que nos falam do frágil jogo de construir um país e do nosso papel fundamental nessa construção. Uma mensagem para cada visitante.

AA'

BB'

05

01

02

04

03

01

.01  TIRANTE METÁLICO | Ø 75mm


.02  GUARDA-CORPO EM PERFIL METÁLICO TUBULAR | 50x30mm 
 

.03  VIGA EM MADEIRA LAMINADA COLADA | 300x300mm 
 

.04  PISO EM CHAPA ELETROFUNDIDA | 15mm


.05  VIGA METÁLICA PERFIL I 50x100mm

02

01

04

03

06

05

02

.01  LAJE EM MADEIRA CLT | 150mm


.02  PISO PLACA DE BASALTO | 50mm
 

.03  PEÇA ENCAIXE METÁLICO CENTRAL
 

.04  VIGA EM MADEIRA LAMINADA COLADA | 300x300mm
 

.05  PILAR EM MADEIRA LAMINADA COLADA | 300x300mm
 

.06  TIRANTE METÁLICO | Ø 75mm

05

06

03

04

01

02

03

.01  PISO EM CHAPA ELETROFUNDIDA | 15mm


.02  VIGA METÁLICA PERFIL C | 50x100mm


.03 GUARDA CORPO EM CHAPA METÁLICA | 3mm


.04  TIRANTE METÁLICO | Ø 75mm


.05  PEÇA ENCAIXE METÁLICO BASE PILAR


.06  PILAR EM MADEIRA LAMINADA COLADA | 300x300mm

05

07

03

04

01

02

06

.01  LAJE EM MADEIRA CLT | 150mm


.02  CAMADAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO | 100mm
 

.03 RUFO EM AÇO GALVANIZADO
 

.04  PERFIL METÁLICO TUBULAR | 50x150mm ARREMATE LAJE
 

.05  PERFIL METÁLICO TUBULAR | 30x50mm SUSTENTAÇÃO COBERTURA EXTERNA


.06  VIGA EM MADEIRA LAMINADA COLADA | 300x300mm
 

.07  COBERTURA EM VIDRO LAMINADO | 8mm

04

+ fotos